Estado promove Curso de Formação em Magistério Indígena

O Centro de Ensino Médio Indígena Xerente (Cemix) Warã, de Tocantínia, tem funcionado como uma grande aldeia, como casa de todos os povos indígenas do Tocantins. É que durante todo o mês de janeiro, a unidade de ensino sedia a 31ª etapa do Curso de Formação de Professores em Magistério Indígena.

O curso tem como objetivo melhorar o desempenho profissional de professores da rede estadual, além de preservar a cultura e os costumes dos povos indígenas do Tocantins. Participam da formação professores que atuam na educação com as etnias Karajá, Javaé, Xambioá, Apinajé, Krahô e Xerente.

A titular da Seduc, Adriana Aguiar, destaca o intercâmbio de informações que ocorre durante as formações. “É um momento muito importante, em que representantes de seis de nossos povos estão reunidos, trocando experiências e compartilhando saberes. O Curso de Formação de Professores em Magistério Indígena apresenta ferramentas e mecanismos para que o processo de ensino e aprendizagem avance cada vez mais”.

O Magistério Indígena tem a duração de três anos. Participam desta fase 102 professores e, destes, 23 já estão na fase de conclusão do curso. A formatura ocorrerá no final do mês. “Trata-se de uma formação especifica para a atuação nas escolas indígenas, considerando a nossa realidade cultural e fortalecendo o que os indígenas têm”, explica o gerente da Educação Indígena da Seduc, Waxiy Maluá Karajá.

A diretora Regional de Educação de Miracema, Maria do Socorro da Silva, ressalta a importância da iniciativa.  “Fico muito honrada por fazer parte desse projeto e estou contente com a maneira positiva como a comunidade recebeu esta ação no Cemix. É uma grande oportunidade de preservação cultural e de construção do conhecimento”.

Já formado em Pedagogia e atuando na sala de aula há três anos, o professor Edvaldo Krahô frisa que não existe limite na busca do conhecimento. “Por meio dessa formação ficamos mais focados no processo de ensino e aprendizagem. Na aldeia, trabalhamos com a formação das novas gerações e conhecemos estratégias para fazer com que esses jovens vivenciem a língua indígena e a cultura”, ressalta.

O professor José Paulo Javaé pontua que o aprendizado adquirido no curso de formação reflete diretamente no trabalho realizado em sala de aula. “Aqui aprendemos mais sobre a língua portuguesa, sobre a nossa língua materna e, como professores, fortalecemos nossa missão de levar conhecimento para os mais jovens, pois estamos sendo capacitados”.

Já Aureliano Xerente destaca que o professor indígena tem um papel muito importante na formação dos jovens nas aldeias. “Nós conhecemos a realidade das nossas crianças e sabemos lidar com as realidades que são específicas da nossa comunidade. Com essa formação estamos aprendendo novas metodologias e conhecendo as diretrizes que amparam a educação escolar indígena”, conclui.       

Magistério Indígena

Comprometido com a qualidade do ensino e com a oferta da educação para essas comunidades tradicionais, o Governo do Tocantins, realiza, por meio da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), o Curso de Formação de Professores em Magistério Indígena desde 1998, quando a primeira turma contou com 93 professores indígenas.

Fonte: Governo do Estado