Perícia indica que porteiro mentiu para prejudicar Bolsonaro

Uma grande farsa armada contra o presidente Jair Bolsonaro está vindo à luz. A voz do porteiro que liberou a entrada de Élcio de Queiroz no condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, não é a do funcionário que mencionou o presidente da República, Jair Bolsonaro, aos investigadores da Delegacia de Homicídios (DH).

A situação aconteceu no dia do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A informação está presente em laudo da Polícia Civil obtido pelo jornal O Globo.

O documento, que é assinado por seis peritos, também atesta que não houve qualquer tipo de edição no áudio e que a pessoa que autorizou a entrada de Élcio no condomínio foi o policial reformado Ronnie Lessa.

Tanto Élcio quanto Lessa estão presos sob a acusação de terem praticado o duplo assassinato. Em depoimento à polícia, no ano passado, um dos porteiros disse que Bolsonaro havia liberado a entrada de Élcio no condomínio. Depois, ele voltou atrás.

O resultado do laudo reforça suspeitas de investigadores de que o porteiro que citou Bolsonaro pode ter agido a mando de terceiros.

3 thoughts on “Perícia indica que porteiro mentiu para prejudicar Bolsonaro

  1. A grande verdade! O espírito sotzializta que o papatango tanto ama e abra$$a é um espírito esquerdopata! Um movimento pró comunismo e que agora está se deteriorando e… é pra sempre! O fim dessa turma chegou ao fim! PapaTango NUNCA +!!

  2. Nada está esclarecido esse caso ainda é uma incógnita todo mundo mentindo para todo mundo ninguém sabe a verdade e talvez ninguém saber a verdade são gentis poderosas envolvida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *