Prazo de inscrições para o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares é estendido até 2 de março

O prazo para a inscrição de militares da reserva no Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) foi prorrogado até o dia 2 de março de 2020. Os interessados em atuar como Prestadores de Tarefa por Tempo Certo (PTTC) podem pertencer a quaisquer Quadros, Corpos, Armas, Serviços e Especialidades. 

Iniciativa do Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Defesa, o modelo das Escolas Cívico-Militares (ECIM) visa melhorar o processo de ensino-aprendizagem nas escolas públicas e baseia-se no alto nível dos colégios militares do Exército, das Polícias e dos Corpos de Bombeiros.
Com esse formato, professores e profissionais da educação continuam responsáveis pelo trabalho em sala de aula. O Assessor da Secretaria de Pessoal e Ensino, Saúde e Desporto do Ministério da Defesa, Coronel da Força Aérea Júlio Cezar Pontes, esclarece que não ocorrerá substituição do corpo docente nas instituições de ensino.

“Não vai haver substituição de nenhum profissional de educação, quer seja diretor quer seja professor. Os militares entrarão com uma equipe complementar, uma equipe de consultoria, para auxiliar nas áreas de gestão educacional, gestão psicopedagógica e administrativa”, detalhou o Coronel.

No modelo adotado pelas escolas cívico-militares, professores e demais profissionais da educação continuam responsáveis pelo trabalho em sala de aula.
A atuação de militares da reserva será em auxílio à infraestrutura escolar, à zeladoria do patrimônio e à assessoria em aperfeiçoamento de processos.
Os suboficiais, subtenentes e sargentos vão contribuir para melhorar o ambiente educativo, reduzir a violência na escola, aumentar o nível de satisfação dos alunos, reduzir o índice de faltas e desenvolver valores e atitudes. Os oficiais intermediários e subalternos devem exercer atividades como zelar pela disciplina escolar, orientar as ações dos monitores e manter a direção escolar informada sobre a situação disciplinar dos alunos. Já os oficiais superiores vão colaborar com apoio pedagógico, supervisão escolar e com as atividades da Seção Psicopedagógica.
Os militares serão contratados por suas respectivas Forças Armadas por um período de até 10 anos. Os estados e municípios também poderão destinar policiais e bombeiros para auxiliar na administração das escolas. O modelo das escolas cívico-militares pretende, entre suas principais propostas, contribuir com a redução da violência, da evasão e da repetência escolar.

O Programa
A proposta do Governo Federal é implantar 216 Escolas Cívico-Militares em todo o país, até o ano de 2023. O modelo adotado visa melhorar o processo de ensino-aprendizagem nas escolas públicas e baseia-se no alto nível dos colégios militares do Exército, das Polícias e dos Corpos de Bombeiros.


Para realizar a inscrição e obter mais informações, os militares interessados devem acessar o site da respectiva Força:

Marinha do Brasil
https://www.marinha.mil.br/navega-reserva/pecim

Exército Brasileiro
http://www.eb.mil.br/web/reserva-pro-ativa/informativo

Força Aérea Brasileira
http://www.fab.mil.br/noticias/mostra/35312

Fonte: Ministério da Defesa