Declarações de Maia, Dória e Mendes sinalizam intenção de rompimento da normalidade democrática no Brasil

Declarações de Maia, Dória e Gilmar Mendes revelam intenção de golpe contra o presidente Bolsonaro

Os defensores do fim da democracia no Brasil saíram de seus covis, de onde são protegidos pela “liturgia de sues cargos” para apoiar abertamente a quebra da normalidade democrática no Brasil. E o fazem em grandes redes de televisão e rádio para o país inteiro ouvir.  

Em entrevista à Jovem Pan nesta segunda-feira (6), o governador de São Paulo, João Dória, declarou que vai haver uma “ruptura institucional” caso o Governo Federal mude sua orientação com relação à quarentena radical defendida pelo tucano. Dória tem se apresentado como porta-voz dos demais governadores e já tomou um pito estrondoso de Jair Bolsonaro pelas medidas populistas e autoritárias que vem tomando.

Já o Ministro do STF Gilmar Mendes deixou claro ao jornalista William Waack, na CNN, que o presidente Bolsonaro pode ser tolhido de suas prerrogativas constitucionais pela Suprema Corte caso tome determinadas medidas. Mendes, que não entende nada de virologia, às vezes parece não entender nada também de direito constitucional.

Por sua vez, Rodrigo Maia ameaçou enquadrar o presidente em crime de responsabilidade por suas medidas na condução do Brasil durante a crise provocada pelo vírus chinês.

Tais declarações vindas destes três personagens em específico é emblemática: é a união de Judiciário, Legislativo e executivo estadual pela quebra da normalidade democrática no país.

Um sinal de alerta máximo está ligado na nação brasileira.