Depoimento do ex diretor-geral da PF esvazia “denúncias” e deixa Moro em situação complicada

A CNN Brasil divulgou no início da noite desta segunda-feira (11) a íntegra do depoimento prestado por Maurício Valeixo, ex-diretor geral da Polícia Federal. Os fatos narrados pelo delegado favorecem a versão do presidente da República, Jair Bolsonaro, e comprovam que não houve qualquer crime por parte do presidente.

No depoimento, Valeixo declarou ser um desejo seu deixar o cargo que ocupava ainda no ano passado por entender que “seu ciclo na instituição havia encerrado”. A comunicação, segundo Valeixo, teria sido feita ao então ministro da Justiça ainda em agosto de 2019.

Valeixo disse ainda que nunca lhe foi solicitado pela Presidência da República acesso a qualquer relatório sobre investigações em curso na Superintendência do Rio de Janeiro e que ele desconhece qualquer interesse de Bolsonaro em inquéritos em curso.

O depoimento de Valeixo ainda inocentou a conduta do delegado Ramagem, indicado pelo presidente da República para ocupar o cargo de diretor-geral da PF.

Leia na íntegra o depoimento:

Aos 11 dia(s) do mês de maio de 2020, na Superintendência da Policia Federal em
Curitiba no Estado do Paraná, onde presente se encontrava CHRISTIANE CORREA MACHADO, Delegada de Policia Federal, Chefe do Serviço de Inquéritos da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado – DICOR e WEDSON CAJÉIOPES. Delegado de Policia Federal, lotado no SINA/DICOR, compareceu MAURICIO LEITE VALEIXO, Delegado de Polícia Federal, Matrícula n° XXXX.- lotado(a) e em- exercicio nesta PF/MJSP. Compromissado a dizer a verdade e inquirida, E respeito dos fatos em apuração, RESPONDEU:

QUE o depoente tornou posse na.Policia Federal no ano de 1996;

QUE em razão de sua classificação na-Academia Nacional de Policia escolheu a vaga na Superintendencia do DF:

QUE 1,98 foi removido para a Superintendencia do Paraná, onde permaneceu át..é.-200’7; QUE em 2008 foi removido para Academia Nacional de Policia:.

QUE 2009 retornou ao Paraná como Superintendente, permanecendo até 2011

QUE no mesmó ano retornou à Brasília como Diretor de Gestão de Pessoal>permanecendo na’ mesma funçáo por um a..

QUE em 2012 assumiu a Diretoria Inteligência Policial, ficando por um ano e meio;

QUE em junho de 2013 foi inclAdo,à,did,o.'[adido] Policial em Washington, retornando ao Brasil julho de 2015; QUE ap7-ékprnar foi indicado DICOR substituto, tendo assumido em novembro de 2015, com-,â apoSen(adoria [aposentadoria] dó Dr. OSLAIN a Diretoria de Combate ao Crime Organizado-DICORNkUE.,pNianeceu corno DICOR até dezembro de 2017, quando foi nomeado, pela segunda ve,Superintendente da Policia Federal no estado do Paraná;

QUE.,,.em\lezemtiro de 2018, quando ainda exerc. o cargo cie Superintendente t;ü5—Paráná.;foi cof,iidado pelo ex Ministro SÉRGIO MORO a exercer o cargo de Diretor Geral daspolíctglirederal. QUE não mantinha nenhum tipo de amizade com o ex Ministro:

QUE o conheceu quando chefiava a Delegacia cie Repressão a Entorpecentes,_ não ‘’e_recordando se 601 1999,2000 ou 2001 , o ex Ministro , SÉRGIO MOJO—O-Sassumiu-‘í.ima vara federal de competência criminal; QUE não só ele. mas outroluízesfitulares ou auxiliares em razão das ativicincles • relação Dr SERGIO MORO, era a mesma que mantinha corno cucos do Ptd-kr \lu iciário e do Ministério Público:

QUE não frequentava a residência do Dr. SÉRGIO ORO’ QUE aceitou o convite para a Direção Geral em razão de entencior que estava O momento adequado para tanto;

QUE quando houve o convite e as conversas que se seguiram com ex MINISTRO trataram sobre as indicações dos cargos de chefia, os quais entendia que as definições deveriam se dar no âmbito daPolicia Federal; QUE houve concordância sobre isso por parte do Dr. SLf<G10 [Sergio] MORO;

QUE não mantém nenhum tipo de amizade com o Exmo. Presidente da República;

QUE não havia uma relação pessoal entre o depoente e o atual Presidente:

QUE desconhece qualquer tipo de resistência apresentada pelo Exílio. Presidente da República quando de sua indicação á Direção Geral da Policia Federal;

QUE não havia uma relação direta entre o depoente e o Presidente da República;

QUE nesse primeiro momento não foi buscado pelo Presidente da República qualquer tipo de relação mais próxima com o depoente:

QUE essa aproximação iniciou-se posteriormente à primeira crise envolvendo a substituição do Superintendente do Rio de Janeiro, a partir do final de agosto de 2019, adentrando o mês de setembro;

QUE a pedido do ex Ministro, a partir do final do mês de outubro. inicio do mês de novembro, passou a acompanha-lo nos despachos semanais com o Presidente da República;

QUE eram tratados nesses despachos assuntos genéricos do Ministério da Justiça, assuntos que envolviam ameças por redes sociais aos Exmo. Presidente da República e outros temas relacionados ao Ministério da Justiça, sem, condado, abranger investi’gav:,,,.

QUE nesses despachos não eram tratados assuntos referentes á investigações eis curso no âmbito da Polícia Federal; QUE se recorda de ter estado-com o Presidente da República e nesse momento ter tratado de uma investigação dá Policia Féderal quando foi feita uma apresentação do caso que envolvia a sua téritátiva`de-a-ssassinato;

QUE essa apresentação foi feita a pedido do ex Ministro SERGIO MORO, em- razão de o presidente ser vítima em tal investigação e se tratar de assunto -de Segurança Nacional, QUE estavam presente nessa reunião o depoente, o ex ministro, o entao Superintendente de Minas Gerais, Dr. Cairo e o’Dr. Rodrigo, presidente do inquérito;

QUE se recorda de outro caso em que houve unia,rèquiSiçãdo Dr. Moro à PGR para que esclarecesse a questão do porteiro;

QUE consistia no pedido de esclarecimento sobre uma reportagem veiculada na imp?ënsk, na quâl o Porteiro do Condomínio em que o Presidente da República residia te-ia rèito uma ligação para a residência do então deputado Bolsonaro. e que teria sido teia, o ingresso de um dos suspeitos do assassinato de Marielle,:

QUE posteriormente foi esclarecido pela Policia Civil rlo Rio de Janeiro que o suspei`tóossassihátó teria dado o número da casa do Presidente, mas teria se dggido Yresidenda de outro suspeito; QUE o Ministério Público do Rio de Jas4iroulgecei,Lúè não havia nenhuma relação com o que estava sendo veicula iTo pela’n, QUE a requisição do Ministro da Justiça culminou na instauraçáog u quérito Policial na Superintendência do Rio de Janeiro para apuraf%Nikla os na imprensa, na qual se colocava em dúvida a
eventual particiPáção o ã • então deputado federal, Jair Bolsonaro, no caso sob
investigação na Poli Civildo Rio de Janeiro sobre o assassinato de Marielle;

QUE não se.recora datavqp.e;foi recebida essa requisição; QUE não sabe dizer se essa investirláção;?oi.”concluicfr no âmbito da Polícia Federal;

QUE com os depoimentos colhidos,no ihreeiNçiesse Inquérito foi esclarecido que o porteiro havia se confudido e que não terN4i,do,,lal ligação á residência do então deputado;

QUE não foi solicitado pela Presidência da República a reportar informações sobre esse Inquérito, QUE tomou conhecir’nérk que o Presidente da República queria substitui-lo com a denominada crise no Rio de Janeiro:

QUE em junho de 2019 foi consultado pelo ex-ministro SÉRGIO MORO sobre a possibilidade de troca do Superintendente do Rio de Janeiro, Dr. SAADI pelo Dr SARAIVA, então Superintendente do Amazonas;

QUE segundo o Dr. MORO esse nome havia sido ventilado pelo Presidente da República;

QUE não sabe dizer por quais razões o presidente da República teria sugerido aquele nome:

QUE não sabe dizer se o Presidente mantinha laços de amizade ou relação próxima com o Dr. SARAIVA;

QUE quando esse desejo do Presidente de nomear o Dr. SARAIVA como Superintendente da PF no Rio de Janeiro se tornou público. em agosto de 2019, foi informado pelo Dr SARAIVA que não tinha participação nessa escolha. que, inclusive, se desculpou pelo incoveniente gerado;

QUE quis esclarecer ao DEPOENTE que não pediu ao Presidente ou pleiteou tal vaga como Superintendente:

QUE quando foi ventilada essa possibilidade de troca, ainda em junho de 2019, o DEPOENTE esclareceu ao Dr. MORO que havia interesse do próprio Dr SAADI em sair da Superintendência, no entanto que essa troca poderia ser feita mais ao fina! do ano e que o nome mais indicado seria do Dr. CARLOS HENRIQUE, o qual já teria sido Delegado Regional Executivo-DREX no estado do Rio de Janeiro em 2018. cargo que exerceu até a sua indicação a Superintendente da PF em Pernambuco;

QUE gostaria de esclarecer que no mesmo período o Dr. SARAIVA estava desenvolvendo um ótimo trabalho no estado do Amazonas;

QUE quando isso vem a tona, o desejo de troca do Presidente da República do Superintendente do RJ, também foi dito pelo presidente que caso não pudesse trocar o SR/RJ poderia trocar o Diretor Geral da PF, já que se tratava de um ato próprio do Presidente:

QUE, esclarece, que, de fato ós atos de nomeação ou de exoneração do Diretor Geral da PF, legalmente- cabem.ao Presidente da República;

QUE em outros mandatos presidenciais houve’ a indicação do.’Diretor Geral, diretamente pelo presidente ou pelo Ministro da Justiça; Perguntado Qual é a sua definição de interferência política na Polícia Federal?, respondeu QUE para o depoente a partir do momento em que há uma indicação com interesse sobre urna investigação específica, estaria caracterizada uma friteOrência política, o que não ocorreu em nenhum momento sobre o ponto (ae,vist.L.cibdépoente;

QUE em duas oportunidades, uma presencialmente, outra pelo telefone, o’presidente da República teria dito ao depoente que gostaria de nomear ao ?ar>de Diretor Geral alguém que tivesse maior afinidade, não apresentandeQhum tiO\o\de problema com o depoente”

QUE foi esclarecido pelo Presidente que náb_I-i’hvia nenhum problema contra a pessoa do depoente;

QUE o depoente registra que O’Vefsidente nunca tratou diretamente com ele sobre a troca de superinteRflentenént4,23,ca lhe pediu relatórios de inteligência ou informações sobre investigasiões ou Inluéritos Policiais:

QUE na gestão do depoente, a escolha de stéerintedéntes [superintendentes] era tratadas em reuniões de _Q diretoria, nas quais os diretores eráiri co\ns,91tAo,Q;

QUE não havia nenhum critério objetivo pré-estabelecido, no entanto erá considerado o histórico de trabalho, funcional, do avaliado;

QUE não hava,…r,i-ece?S0ade de aprovação por parte do Ministro da Jiistí,-;.á para a escolha k algum’superintèndente;

QUE nunca foi indicado pelo Dr. MORO qualquer nome is ára Nusr`rçeffde superintendente;

QUE a única mudança de superitendente rri”.LonáLia pelo então Ministro MORO se restringia á Superintendê do Rior.è Janeiro, o que ocorreu por duas vezes;

QUE de forma menos’‘contticlne te, foi veiculada pelo Ministro a possibilidade de troca do superinterl’ ente(Nkpernambuco;

QUE em nenhum dos casos foi apresentado nenhumka justificasse a substituição, uma vez que não havia nenhuma reclaNação,so r.e a condução dessas superintendências:

QUE em agosto de 2019, através ae..f.9)a do Presidente à imprensa, veio a público c desejo de troca da superintendência do Rio de Janeiro;

QUE nos outros casos mencionados pelo entes Ministro MORO ao depoente o assunto não foi a público; QUE o assunto sobre a mudança da atual superintendência de Pernambuco foi tratado com o então Ministro Sérgio MORO, e que o questionamento dizia respeito ao fato de que a então titular da SR/PE tinha exercido um cargo na Secretaria de Estado equivalente à secretaria de segurança pública:

QUE foi esclarecido pelo depoente que a escolha da atual SR/PE teria sido técnica, e que a mesma teria ocupado diversos cargos estratég,cs ,naquela superintendência;

QUE o depoente destacou que na época em que CARLA PATRICIA foi Delegada Regional de Combate ao Crime Organizado na SR/PE, foi o período em que houve mais operações especiais naquele Estado; Perguntado: Havia algum problema de produtividade na SR/RJ em agosto de 2019, conforme apontado pelo Presidente da República como motivo para a troca naquela superintendência’? respondeu QUE ao contrário do que foi falado pelo Presidente da República. a superintendência do Rio de Janeiro teria se destacado naquele ano, conforme indices de produtividade operacional (PO), tendo subido diversas posições em relação ao ano anterior; Perguntado: Em agosto de 2019, havia alguma investigação de interesse do Presidente da República, ou de seus familiares, em curso na Superintendência do Rio de Janeiro?, respondeu que desconhece;

QUE não lhe foi solicitada nenhuma informação por parte da presidência da república sobre investigações ou inquéritos em tramitação na superintendência do Rio de Janeiro; Perguntado: Que tipo de relatórios de inteligência eram produzidas em sua gestão?, respondeu que lerarh\produzidos relatórios de inteligência estratégicos destinados aos gestores e eventualmente ao Ministro da Justiça;

QUE a respeito da produção de relatórios-de inteligêncià para o SISBIN, quem pode esclarecer a respeito dessa produção de Infort-naçõés é ó próprio Diretor de Inteligência: Perguntado: Dentro da doutrina da,Polícia Federal, o Presidente da República pode solicitar relatórios de inteligência dá.,,,Policia Federal?. responoeu que eventualmente o presidente pode solicitar \tais \relatórios quando envolver questões estratégicas, que envolva a tomada de decisõe?:, como, por exemplo, em questões que envolvam questões de repercussãp,nacional. o que-também e feito por outros órgãos, como a PRF. as Forças Armadas.`epróiSria\ABIN;

QUE esclarece que nesse caso, apesar de envolver informa ões reserva’cia’s, não se trata de matéria envolvendo investigações em curso na -Pplícia Federal, du seja, matéria de polícia judiciária; Perguntado: Como o Mi istro ‘Justiça era informado a respeito de operações de polícia judiciária?, s ondeu 0,11,Efrio,inicio do dia, após a deflagração,
eram transmitidas algumas inf açõ s.dé,:aco-çdo com aquilo que era disponibilizado
pela coordenação daquela igve a depéFidérido se havia ou não levantamento do
sigilo;

QUE havia um filtro d3 queseria set,divulgado em razão do sigilo aplicado, o que era feito pelos delegadkqi.10 légavam determinada investigação, seguindo a cadeia de comando,,mpre`q,pós a.deflagração; Perguntado’ A Presidência da República solicitoriepte algum dado sobre investigação policial em curso, seja pelo nome de r • tór • .ntelig”??cia ou informação policiar?. respondeu que não: Perguntado: Em ‘zum rrk2rnevjo o Presidente da República reclamou ao depoente sobre o não encaminhámer3to de Relatórios de Inteligência?, respondeu que não; QUE não sabe dizer_a razãckpelá qual, em março de 2020, lhe foi transmitido pelo Ministro da Juiça rtímá- nova “sólicitação da presidência da república para a troca da superintSkncia’ào,Rio de Janeiro; Perguntado, Em seu Termo de Declaraçoe.. o ex-9; SERG,I__Q MORO disse que recebeu unia mensagem do Presidente Jair Bolso teor era mais ou menos o seguinte: Moro você tem 27 superinte d4cias, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro. O ex-Ministro Moro lhe mostrou essa mensagem? Você discutiu esse assunto com o eu-Ministro Moro numa viagem aos Estados Unidos?, respondeu

QUE se encontrava na embaixada do Brasil em Washington, em março de 2020, quando o ex-Ministro MORO pediu ao depoente para conversarem de forma reservada. momento em que o ex-Ministro lhe transmitiu o desejo do Presidente da República em mudar o superintendente do Rio de Janeiro, novamente;

QUE não viu a mensagem citada. a qual apenas tomou conhecimento quando da publicação do Termo de Declarações prestado por SERGIO MORO;

QUE desde a crise em agosto, o depoente teria comunicado por diversas vezes ao ex-Ministro SÉRGIO MORO seu desejo de deixar o cargo de Diretor Geral da Policia Federal; QUE no auge da crise. o ex-Ministro SÉRGIO MORO compreendeu a po,lçAo do depoente, que se sentia desgastado no cargo no final do segundo semestre de 2019, e que o depoente entendia que o melhor para a Policia Federal seno sua substituição;

QUE o depoente também entendia que havia encerrado seu ciclo no comando da Polícia Federal: QUE em razão do desgaste alegado pelo depoente o então Ministro MORO tentou fazer uma composição, como por exemplo. sugerir a indicação do Dr. CARLOS HENRIQUE para uma chefia em Brasília, ou um posto no exterior;

QUE se colocou a disposição para ajudar em uma eventual transição, quando, mais uma vez, foi mencionada a necessidade de troca da Superintendência do Rio de janeiro;

QUE o ex-Ministro MORO tinha como nome de preferência o do Delegado FABIANO BORDIGNON; QUE naquele momento o depoente não indicou nenhum nome para substitui-lo; QUE o que fez foi responder a uma pergunta do então Ministro MORO sobre nomes, como sugestão, que poderiam assumir a Direção Geral, sendo lhe respondido que poderiam ser alguns dos diretores ou atgdns superintendentes: QUE nesse cenário, dentre os nomes indicados pelo depoente, o Dr>,MO__,R0 teria escolhido o nome do Dr. ROSSETI; Perguntado: O depoente tinha conhecimento sobre eventual amizade entre o Dr. FABIANO BORDIGNON .e o então Ivlinistro MORO?, respondeu que, pelo que tinha conhecimento. a relaçãó entre eles era profissional’ Perguntado se o nome escolhido pelo então Ministro da Justiça atendia as especificações do cargo?, respondeu que considéra dificil’fazer-uma avaliação. pois se trata de uma escolha do próprio Ministro: Perguntdó:’0 nome do Dr. ROSSETI atendia às especificações do cargo?, respondeu que considera gire por ser seu substituto, seria uma sucessão natural para o cargo: QUE:yeforça que por se tratar de um cargo em comissão quem detém a prerrogatlya- legal de indicar ‘o nome, é o Presidente da República. desde que se trate de um'”\Delegado dé Polícia Federal Classe Esoe,ial termos da lei; QUE tomou conhe’ciment,en data que não se recorda ao Certo, mas que após a primeira indicaçãO\d‘e sua substilLiição em agosto de 2019 que alguns nomes para sua substituição havia(ido ventilado em reuniões entre o Presidente e o Ministro;

QUE essas tratatis não se davam na presença do DEPOENTE; QUE em agosto de 2019 houve’uma ápi’óximaçãó’ do Dr. RAMAGEM junto à Direção Geral. visando minimizar,o,de\Sgasfe o’,5(ildo com a primeira crise do Rio de Janeiro; QUE recorda que o Dr’:›RAVIA,GEM haviavsido indicado no inicio de sua gestão, em COMUM acordo com os demais diretoresvpara exercer o cargo de Superintendente da Policia Federal no estado \do Cerá:

QUE, no entanto, embora nomeado para o cargo, não tomou posse, em razão de ter sido requisitado pela Presidência da República para exerceuma:-a-t`i’vidade jiriito à Presidência,salvo engano, junto ao GSI: QUE depois dessaf o ,RAMAGEM passou a exercer o cargo de Diretor da Agência Brasiaeir cl.?kIn’feldencia-ABIN; QUE por ocasião da indicação para o cargo de Supentendenfé.da Polícia Federal no Ceará, o depoente não tinha conhecimento sobre evéntsnal amizade do Dr. RAMAGEM com o Presidente da República: QUE tem conhecimenió que o mesmo foi indicado em 2018. pelo ex Diretor Geral da PF. Dr GALORO para substituir o delegado que era responsável pela coordenação da segurança pessoal do candidato Jair Bolsonaro; QUE o Dr. RAMAGEM teria sido o terceiro delegado indicado para aquela função; QUE não tem conhecimento sobre o desempenho do Dr. RAMAGEM naquela função; QUE lhe foi relatado que o período que o Dr. RAMAGEM esteve na coordenação da segurança pessoal do candidato Jair Bolsonaro não teria ocorrido nenhum incidente;

QUE não houve nenhuma tentativa do Dr. RAMAGEM junto à Presidência da República em interferir na sua gestão: Perguntado: O fato de, eventualmente, o Dr. RAMAGEM manter amizade com o Presidente da República o impediria, através de um normativo interno da Pc!icia
Federal de exercer o cargo de Diretor Geral?, respondeu ene ie,;a11,1 m,11, Uma que o ato de nomeação e exoneração são privativos du I (.1,1
Perguntado: A condução do Inquérito 4781-STF, apelidado de “rnke News”, mais especificadamente sobre a a participação da Polícia Federal desse inquérito?, respondeu que os inquéritos da Policia Federal que tramitam junto ao Supremo Tribunal Federal são conduzidos no Serviço de Inquéritos-SINO, no âmbito da Diretoria de Combate ao Crime Organizado-DICOR, especialmente os mais sensíveis;

QUE especificamente sobre o Inquérito 4781, o mesmo, conforme lhe foi informado pelo Dr. IGOR ROMARIO DE PAULA, atual DICOR, esse inquérito permanece junto ao gabinete do Ministro Alexandre de Moraes, havendo apenas determinação de diligências específicas à Polícia Federal; QUE não tem conhecimento se esse inquérito tramitou no Serviço de Inquéritos; QUE tomou conhecimento sobre ,a mensagem de Whatsapp mostrada pelo ex Ministro da Justiça no Jornal NaciórTal, que trazia 1,1 link de notícia do site do “O antagonista”, a respeito de uma investigação em-que a Polícia Federal estaria apurando a conduta de Deputados Federais aliado ao presidente da República, bem como indicando que esse seria maisum motivo pará’a troca da Direção Geral no dia 24 de abril; QUE tomou conhecímento dessa mensagem através do ex ministro. SÉRGIO MORO antes do seu pronunciamento: QUE nada lhe foi questionado sobre o Inquérito 4781-STF pelo “ministro; QUE, ressalta que não teria nenhuma informação sobre esse inquérito; QUE’ nunca havia sido solicitaú, ao DEPOENTE qualquer informação, seja elo ex MinsTro, SÉRGIO MORO ou pelo Presidente da República sobre o m ‘Cizado inquérito; QUE, sequer tinha conhecimento sobre os fatos que eci investigados no inquérito 4781-STF, sabendo, genericamente que o mesmo ap r va E•. ;rim e fake neves;

QUE não tem
conhecimento se esse inquérito foitombádo-noãmbito da Policia Federal; QUE sabia que o Inquérito era determinádcià Polícia Federárpara cumprimento de diligências, tais como cumprimento de buscas: Pérgt.intado:_Eventual troca da Direção Geral poderia impactar no acesso a inforrriaçõeS. dó,i.nquérito mencionado?, respondeu que não. pois seria necessária uma toca na ‘rotina dé,t(abalho estabelecida na Policia Federal já há muitos anos; QU,.,wimco-mo \osInqueritos que tramitam no Superior Tribunal de Justiça, aquelestam no Si7joremo Tribunal Federal envolvem tratativas diretas entre as equipes policiais e os/gabinetes dos ministros, sem que tais documentos passem pelo gabinète do Diret.& Geral: Perguntado’ Na reunião que reali7ou com os superiritende.rites na semana em que foi exonerado, o senhor comunicou algum pedido de exoneração? respondeu que a reunião com superintendentes é algo que ocerfe semanallnitói’-‘Reio de videoconferência: QUE havia noticias sobre a troca do Diretor dkra’,’ e que., as vezes recebia de outros superintendências mensagens sobre tais n’o’ti,c,,as; Q E por essa razão, na videoconferência realizada na quinta-feira, dia 23 de abril deZ2020, antes de tratar dos assuntos que seriam temas daquela reunião, abordou de forma geral o desgaste que vinha sofrendo desde agosto Je 20:ç«, e mencionou que não tinha apego ao cargo, o qual se encontra e sempre esteve. à disposição do Ministro da Justiça e do Presidente da República, os quais estavam tratando sobre sua substituição, mas que não houve qualquer antecipação sobre sua exoneração. tampouco comunicou nessa reunião que iria pedir exoneração; QUE em outras ocasiões, o depoente já havia manifestado ao então Ministro MORO seu desgaste e colocado o cargo à disposição e que tomou conhecimento que as tratativas do então Ministro MORO para a escolha de um nome por ele indicado não haviam sitia bem sucedidas, motivo pelo qual o então Ministro MORO solicitou ao depoente que permanecesse no cargo; QUE somente tomou conhecimento sobre o teor da reunia° do conselho de ministros. ocorrida no dia 22 de abril de 2020 na qual república teria sido explicito sobre a troca do Diretor Geral quando leu o Termo de Declarações prestado pelo ex-Ministro Sérgio Moro;

QUE o ex-Ministro SÉRGIO MORO não lhe reportou o teor de tal reunião, não tendo relação com o que disse aos Superintendentes no dia seguinte; QUE na noite do dia 23 de abril de 2020. verificou que havia em seu celular chamadas não atendidas e mensagens de r.limistr, RAKICr: do Delegado RAMAGEM solicitando que o depoente entrasse em contato com a presidência da república: QUE o depoente, por rneio de uni ajucl,ite de ordens retornou a ligação. momento em que o telefone foi passado para o Presidente da República JAIR BOLSONARO: QUE nessa ligação, o Presidente__ comunicou ao depoente que sua exoneração do cargo de Diretor Geral ocorreria no’dia-keguinte, bem como indagou ao depoente se ele concordava que a publicação se desse como “a pedido”, momento em que o depoente disse que sim, que estava tudo bem. concordando coro a publicação da exoneração como “a pedid\o”; QUE se recorda mie na tarde do dia 23 de abril de 2020, quinta-feira, o ex-Ministro-SÉRGIO MORO teria lhe perguntado se estaria tudo bem se o depoente fosse exonerado “a pedido” desde que o ex-Ministro SERGIO MORO conseguisse o compromisso do Presidente da República nomeasse o Dr. ROSSETI em seu lugar; QUE nesse caso, o depoente concordou que, se necessário, faria uma solicitação formal ao sex-Ministro,de exoneração “a pedido’ QUE ressalta que se tratava de um cenário envolvendo sua exoneração que se arrastava há cerca de 9 meses: QUE se recorda quela arde da noite do dia 23 de abril de 2020. recebeu uma ligação do ex-Minkro.,,SERGIO MORO lhe comunicando sobre a sua exoneração no dia seguinte,asem Mencionar de que forma ela se daria, se a pedido ou não. ou se o Dr. ROSSETI seria C•seei Substituto; QUE no dia seguinte. 24 de abril de 2020, após a publicaçãO-,de-sua, exoneração, o depoente reporta ao ex-Ministro as circunstâncias em que se deu ass-,cO’nversa telefônica com o Presidente da República. na qual foi indagado se’,._t’oncorda,/a que sua exoneração fosse publicada como “a pedido”: QUE;esS’\coinversa com o ex-Ministro MORO ocorreu antes de pronunciamento no qt.iI ele expôs aS\rázões de sua exoneração; QUE não houve formalização do pedido de exoneração; Aberta a palavra à Procuradoria Geral da República: PergunWo: A \relação entre o Presidente da República e a Policia Federal foi diferente nesova\ getão,/especialmente no que diz respeito à nomeação de cargos de confiança”?,2-espondeu QUE no tocante o protocolo e trâmites das inaicaçoes não houve nenhuma mudança. já que todas as indicações são encaminhadas à Casa Civil e na atual AdministrXão todas elas foram confirmadas, nenhum nome foi vetado, fazendo N cideele tivesse que substituir; QUE nada chamou a sua atenção em relação lost ramites adotados; Perguntado: se o DEPOENTE se recorda de UM inquito„kerado a pedido da então procuradora Dra. Raquel Dodge ao Ministro da Seguranç ,-\Raul Jugman, no ano 2018 para investigar suposta obstrução nas investigações do caso Marielle pela Policia Civil do Rio de Janeiro foi respondido que sim; QUE o Depoente não leu o relatório final elaborado pela Policia Federal: Perguntado: O depoente tomou conhecimento sobre eventuais crimes praticados por policiais da Delegacia de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro, estes ligados a um chamado “escritório do crime”, composto por possíveis milicianos e com eventual participação de policiais federais?, respondeu que tomou conhecimento, através dos coordenadores da investigação no âmbito da Policia Federal que o motivo da instauração do inquérito que apurava a suposta obstrução havia sido esclarecido e que eventuais outros fatos criminosos identificados, que necessitassem de novas investigações, tais como prática de crimes por policiais civis ou prática de outros crimes
por policiais federais ficariam a cargo do GAECO/RJ, no que se referia a policiais civis e da DICINT/DIP ou COAIN/CORREGEDORIA no que se referisse a policiais federais: Perguntado: Haveria alguma investigação da policia federal que pudesse alcançar policiais civis do Rio de Janeiro na atuação do caso Marielle?, respondeu que desconhece eventuais crimes nesse sentido; Perguntado: Chegou ao conhecimento do depoente a instauração de algum inquérito na SR/PF/RJ para apurai a falsiiicaçu da assinatura do então superintendente do Rio de Janeiro, Dr SAADI em um procedimento que visava o desarquivamento de um inquérito naquela SR/RJ?, respondeu que não se recordava: Perguntado: O depoente se recorda quem era o delegado responsável pelo Serviço de Inteligência Policial da SR/PF/RJ?, respondeu QUE não se recorda: Perguntado: Sobre a morte do ex-capitão ADRIANO NOBREGA. na Bahia. houve algum pedido de autuação da Polícia Federal nesse caso?, respondeu QUE houve uma consulta á Policia Federal, não pelo canal apropriado, vez que se deu via Secretaria de Operações Integradas da’ Ministério da Justiça (SEOPI) e através do Dr. JAIRO, Superintendente(da-eF no Espjrito Santo, de um apoio aéreo a uma operação na Bahia; QUE o depoente rèspo-ndeu ifue devia se observar os canais apropriados, via canais de inteliàênCla se houveSse informações reservados. para que se avaliasse o apoio da PoliciN:Fedéral; QUE no entanto esse pedido nunca foi formalizado, logo não foi fs’espondidà`,t, Prguntado: O depoente informou que não conhece o chefe do SIP/RJ, r4à’o4epoente recebeu relatórios de inteligência produzidos pelo SIP/RJ?, res9çdeu ote\não-se recorda o nome do chefe do SIP/RJ, mas que já esteve reuniões na R/RJ, corno, respectivo superintendente e o chefe do SIP; QUE não se recorda de\tei-,recebidas relatórios que teriam sido produzidos especificamente pelo chefe do \SIPIRJ:. Perguntado: O depoente tinha interlocução direta com o Presiderite da-República por meio de aplicativos de trocas de mensagens, como whatsapp?, posdeu QUE era muito raro esse contato dileto LU 11 o Presidente JAIR BOLSOIrYARO -:rguntade. O depoente deve ter conhecimento a respeito de um Inquérito-POlicial que çarplou junto à SR/MG envolvendo canclidatui.s “laranjas”. O depoenteXm corhe7,cimenTsobre a transmissão de informações sigilosas desse Inquérito ao esidente da‘R\epública?, respondeu QUE não, que somente após o levantamentod.,,nglo e’apos contato com os coordenadores da investigação foram repassadas inforrNçõesgerais ride não trariam prejuízos à investigação, filtro esse que foi feito pela própria eq.iipe -de investigação e superintendente; Perguntado: O depoeule ter92,,conheCimento se na Polícia Federal tramitou alguma investigação envolvdo ‘FABRICIO QUEIROZ, que teria relação com o senador FLAVIO BOLS(n:NR0?,(Npondeu QUE não tem conhecimento a esse respeito; Aberta a palavra ao Advogado da União, não houve perguntas; Aberta a palavra a defesa do Dr. S’ERGIO MORO: Perguntado: O DEPOENTE se recorda sobre a nota emitida pela Diretoria’Geral da Policia Federal, após a crise iniciada em agosto de 2019 com a comunicaçãCi’da Presidência da República quanto a substituição do Superintendente do Rio de Janeiro?. respondeu que não se recorda dos detalhes da nota, QUE se recorda que objeto da nota era esclarecer as circunstâncias da saida do então Superintendente, Dr. SAADI e a indicação da Policia Federal para a função; QUE o declarante reafirma, o que dito anteriormente, que a salda do Dr. SAADI não se dava por motivos de produtividade ou por eventual irregularidade; QUE a troca, como dito, se daria em momento oportuno e fundamentada em um pedido do próprio Dr. SAAD, por motivos familiares alegados por ele, logo no inicio gestão do DEPOENTE como Diretor Geral; Perguntado: A substituição do Dr. SAADI pelo Dr. CARLOS HENRIQUE era uma escolha da Direção da Policia Federal?, respondeu que sim; Perguntado: O depoente
tomou conhecimento sobre declarações públicas do Presidente da República no
sentido de que “e\e guem mandava” e que por isso substituiria o Dr. SAADI peio Dr.
ALEXANDRE SARAIVAQ. respondeu que tomou conhecimento. Perguntado: O nome
do Dr. ALEXANDRE SARAIVA teria sido uma escolha da Direção Geral para a
Superintedéncia da Policia Federal do Rio de Janeiro? respondeu que não:
Perguntado: O depoente confirma que após esse fato ameaçou pedir exoneração em
conjunto com os demais Diretores? respondeu que foi uma manifestação pessoal do
DEPOENTE. em relação à sua função, mas que, no entanto, não houve nenhum
movimento coordenado de entrega de funções; QUE esclarece que essa manifestação
do pessoa! do DECLARANTE se deu num momento de escalada da crise, em rezão de
urna declaração do Presidente da República que disse que “Se eu não puder trocar o
Superintendente do Rio de Janeiro, eu troco o Diretor Geral”; QUE,’
naque;e
momento, agosto de 2010 pensando na instituição Policia Fedêkal, o depoente
entendeu que seria viável uma manifestação do então Ministro SÉRGIO MORO no
sentido de compor urna solução que incluísse a substituiçã<do Diretôt Gerat¯QUE por
esse motivo, não formalizou seu pedido de exoneração naquele momento; Perguntado:
Após agosto de 2019. o depoente foi informado Qpelo\V1inistró dãvJustiça que o
Presidente teria intenção de lhe substituir do cargo detDireção GeralO O depoente se
recorda se recebeu mensagens do então Minis ro SÉRGIO MORO a esse respeito? ,
respondeu QUE recebeu mensagens e ligações okeÀão M_inistrc SÉRGIO MORO
sobre a intenção do Presidente da [email protected] em lhe substituir do cargo de Diretor
Geral, mas que preferia tratar dessas catrqtQes pessoalmente com o então Ministro
SÉRGIO MORO. Perguntado: O dépoene feii informado posteriormente sobre a
intenção do Presidente da Repúblicaxem noaarhDelegado ALEXANDRE RAMAGEM
para substitui-loQ O depoente sabe Ninformar qual seria a razão do Presidente d?
República para nomear ALEXANDRE RAMAbEh/1?, respondeu que foi informado pelo
próprio Presidente da RepúbÍca sobre a intenção de nomear ALEXANDRE RAMAGEM
e que essa substituiçá@ sexdarJa uma questão de afinidade: Perguntado: Dr.
VALEIXO, qual pedidotdu contateentreVPresidente da República e o Diretor Geral, no
exercício da funçáo=úbàica de ambos, demanda afinidade entre eiesQ, respondeu essa
pergunta deve ser diqgi?da ao .próprio Presidente da República; Perguntado: O
depoente já teve noticia, ainãagué pela imprensa, sobre uma relação de amizade er,t’e
ALEXANDRE RAMÀGEM e os filhos do Presidente da República? respondeu QUE
existeru repoyagens a esse respeito; Perguntado: O depoente já passou o ano novo
com Sérgio MORO? , respondeu que não; Perguntado: Dr. VALEIXO, o
senhor abse omelegado ALEXANDRE RAMAGEM já exerceu algum cargo titular de
Diretoria a olícia_FederaI?, respondeu que não; Perguntado: Dr. VALEIXO, o senhor
sabe%8ienaxrse a nomeação do Delegado ALEXANDRE RAMAGEM para a Direção
Geral pre ega outros delegados mais antigos? , respondeu que a antiguidade nao e
um pre-reqlllsito para a ocupação de cargos em comissão na Policia Federa}: QUE
inclusive o atual Diretor Geral da Polícia não pertence às turmas mais antigas, QUE
basta que se trate de um delegado classe especial; QUE reafirma que se a nomeação
e a exoneração do Diretor Geral da Polícia Federal são atos privativos do Presidente
da República; Perguntado: Dr. VALEIXO, o senhor tem conhecimento se algum
delegado que ingressou na Policia Federal no ano de 2005 já exercetl algum cargo d?
Diretor na Polícia Federal?, respondeu que acredita que não; Perguntado: Dr.
VALEIXO, o senhor confirma que sinalizou a possibilidade de acenar uma aciidància
para evitar um desgaste entre o Ministro da Justiça e o Presidente da República?
respondeu que sim, que isso se deu possivelmente entre setembro e outubro de 2019:

14 thoughts on “Depoimento do ex diretor-geral da PF esvazia “denúncias” e deixa Moro em situação complicada

  1. Como se vê o Presidente não disse mentira alguma conforme declaração do funcionário demitido por ele.

  2. Agora estar tudo esclarecido, agora quero ver a Globo com seu jornalismo de baixo nível se retratar perante o povo brasileiro.

  3. DEVERIA SER TROCADO OU TROCADA, O FUNCIONÁRIO QUE DIGITOU O DEPOIMENTO, CHEIOS DE ERROS DE DIGITAÇÃO UMA VERGONHA, UM DOCUMENTO CHEGAR AO PÚBLICO DESSA MANEIRA

  4. Péssima e desrespeitosa a apresentação de documento tão importante. Erros grosseiros de digitação. Uma vergonha!

  5. Péssima e desrespeitosa a apresentação de documento tão importante. Erros grosseiros .

  6. Esses “erros” certamente ocorreram na conversão do arquivo de um formato para outro.

  7. É Moro, caiu a máscara com a qual nos enganou por tanto tempo.
    Fique agora com aquela recomendada contra a Covid19

  8. Mais uma vez ficou claro que o presidente da República e um homem íntegro e honesto. Não tem medo de peitar a corrupção e a bandidagem que se instalou na política.
    Meus sentimentos ao ex ministro pois caiu como patinho se aliando esquerda na tentativa de derrubar Bolsonaro.
    Como se diz “o tiro saiu pela culatra”.

  9. Deveria ser trocado em caráter de urgência o digitador(a) do depoimento. Em muitos momentos cheguei a pensar que o depoimento era em lingua estrangeira, ou em códigos. Misericórdia. Quanto ao conteúdo, decifrando os códigos, entendi que meu Presidente é verdadeiro. Que seja punido o mentiroso.

  10. Espero que esse traidor da pátria (Sérgio Moro), integrante da banda podre , que vem lesando nosso país, SEJA PUNIDO EXEMPLARMENTE.

  11. Uma vergonha , é um crime o que
    a Globo faz ! Deturpou tudo em seu noticiário, dizendo apenas as negativas que convinham para parecer que o Moro estava certo, contra o presidente. Algumas medidas de punição deveriam ser tomadas contra essa emissora desonesta, de uma imprensa marrom,canalha e mentirosa.

  12. Esse pessoal em vez de se consentrar no depoimento esclarecedor do delegado….Tá preocupado com a digitação.tudo bem q tá ruim,Mais deu de ver q ficou esclarecido os pontos duvidosos q o traidor do moro trouxe a tona.olha tô pra ver traidor maior q esse cara de, um papel de moleque.armou com todo intuito de se dar bem….Mais vai cair.isso é certo

  13. Digitação contem falhas grosseiras, deveria serem revisadas essas taquografias, antes de tornar documento público. E olha que esses taquigraficos tem emprego garantido e recebem salários acima de 15.000,00 mensais. Realmente um desrespeito aos leitores e a ordem jurídica.

    1. Digitação contem falhas grosseiras, deveria serem revisadas essas taquografias, antes de tornar documento público. E olha que esses taquigraficos tem emprego garantido e recebem salários acima de 15.000,00 mensais. Realmente um desrespeito aos leitores e a ordem jurídica.

Comments are closed.