Conselho do Jalapão estuda protocolo especial de visitação do Parque Estadual

A elaboração de um protocolo com procedimentos de proteção pessoal que torne possível a reabertura do turismo no Parque Estadual do Jalapão (PEJ) foi o principal ponto debatido nesta quinta-feira, 4, durante  a 13 ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo do Parque Estadual do Jalapão, realizada na modalidade de teleconferência. A reabertura dos atrativos turísticos do Parque Estadual do Jalapão ainda não tem data definida e será decidida pelos municípios da região em consonância com o Governo do Estado.

Segundo Warley Carlos Rodrigues, diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), a elaboração de procedimentos para a reabertura do parque foi agregada à capacidade de carga dos atrativos públicos. “Estamos em um momento importante, um ponto zero, onde as atividades turísticas estão suspensas e podem ser retomadas já com a carga máxima de visitantes que cada atrativo pode receber por vez estabelecida por portaria”, informa.

O diretor explica que a questão de limitar o número de visitantes nos atrativos já vem sendo discutida pelos membros do Conselho do PEJ há algum tempo e que ainda em 2018 foi elaborado um relatório por técnicos do Naturatins, apontando os impactos da visitação no local e orientando sobre a capacidade de carga dos atrativos públicos. “Lembrando, que os atrativos públicos do Jalapão são a Cachoeira da Velha, as Dunas e Serra do Espírito Santo”, frisa Warley Rodrigues.

Turismo

O presidente do Naturatins, Sebastião Albuquerque, reforça que o Jalapão é hoje um importante atrativo para o Tocantins, sendo o ponto turístico mais conhecido do Estado, recebendo visitantes inclusive do exterior.  Entretanto, ele alerta que é preciso garantir que o turismo no PEJ seja promovido de maneira sustentável e por isso analisar a questão da reabertura já atrelada a uma normativa sobre a capacidade de carga é fundamental.

Outra pauta importante discutida durante a reunião foi a necessidade de determinar a obrigatoriedade de guias para os atrativos públicos. “Ainda está em fase de discussão, mas existe a possibilidade de regulamentarmos a necessidade de condutores nos atrativos públicos”, frisa o diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas, Warley Carlos Rodrigues, lembrando que o visitante não paga para entrar nos atrativos públicos.

O presidente do Naturatins reforça que todas as deliberações feitas pelo Conselho do PEJ têm como objetivo principal garantir a proteção do parque, para que as gerações futuras também possam usufruir de suas belezas naturais.  

A partir das deliberações, todas as sugestões apresentadas pelo Conselho do PEJ são encaminhadas para os órgãos competentes e acompanhadas de perto pelas instituições representadas pelo órgão deliberativo. As deliberações são um pontapé inicial para a tomada de decisões que irão incidir sobre a gestão do Parque Estadual do Jalapão.

Um bom exemplo de como funciona o Concelho é quanto à criação de um protocolo de segurança em tempos de pandemia para a reabertura do parque. Durante a reunião desta quinta-feira,4, ficou decidido sobre a necessidade de tal protocolo. “Mas sua elaboração será discutida com o Comitê de Crise, montado pelo Governo do Estado, a quem compete decidir sobre as questões que envolvem as medidas de contenção de contágio da pandemia”, reforça o Presidente do Naturatins.

Conselho

Fazem parte do Conselho Consultivo do Parque Estadual do Jalapão, além do Naturatins, a Supervisão da Área de Proteção Ambiental Jalapão, Gerência do Parque Estadual do Jalapão, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Associação Tocantinense de Turismo Receptivo, Comunidade Mumbuca, Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins (EESGT), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (CMBIO), Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/Ulbra), Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e Associação Comercial de Mateiros (Acem).

Também compõem o conselho o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Secretaria de Meio Ambiente de Ponte Alta do Tocantins, Associação Jalapoeira de Condutores Ambientais (Ajaca),  Associação das Comunidades Quilombolas do Rio Novo, Rio Preto e Riachão (Ascolombolas-rios), Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Tocantins (Ruraltins), Secretaria de Meio Ambiente de São Félix, Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), Reserva Particular do Patrimônio Natural Catedral do Jalapão e Secretaria de Meio Ambiente e Turismo de Mateiros. 

Fonte: SECOM/TO