Crime de extração forçada de órgãos na China não recebe devida atenção, afirma especialista

O histórico do Partido Comunista Chinês (PCC) sobre graves violações dos direitos humanos de seus próprios cidadãos precisa ser continuamente exposto, particularmente a prática de extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência, disse Levi Browde, diretor executivo do Centro de Informações Falun Dafa.

Em uma entrevista detalhada com Michael Harrison, editor da revista Talkers, Browde descreve a prisão, tortura e extração de órgãos de praticantes da disciplina espiritual na China. Ele afirmou que deve haver uma maior consciência dessas atrocidades.

Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma prática de cinco exercícios de meditação e ensinamentos espirituais baseados nos princípios da verdade, compaixão e tolerância. A prática foi severamente perseguida pelo regime chinês nas últimas duas décadas.

O sistema de transplante de órgãos da China tem sido examinado nos últimos anos, e um tribunal popular independente com sede em Londres concluiu em junho de 2019 que, “além de qualquer dúvida razoável”, o PCC estava usando prisioneiros de consciência para extrair seus órgãos. A principal fonte de órgãos eram os praticantes do Falun Gong.https://0354346e5a075c71285dff6bfda7cd7e.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

“Com um crime no nível de extração forçada de órgãos, isso deve ser notícia de primeira página repetidamente, até que pare – e não foi”, disse Browde no podcast de 18 de agosto.

Em um relatório de 160 páginas publicado em março, o tribunal considerou que “não há evidências de que essa prática tenha sido interrompida” e disse que a falta de supervisão internacional permitiu “que muitas pessoas morressem de maneira horrível e desnecessária”.

Um grande número de praticantes está trancado em centros de detenção e eles são pré-selecionados por tipos de tecido. Quando alguém paga por um órgão, o detido é morto, disse Browde.

“Eles pegam o órgão e fazem o transplante”, disse ele, acrescentando que a indústria ilegal de órgãos no Estado envolve bilhões de dólares.

Como o vírus do PCC (comumente conhecido como o novo coronavírus) devastou a China no primeiro semestre do ano, a indústria chinesa de transplante de órgãos continuou a funcionar normalmente, sem “atrasos óbvios no tempo de espera para obter um órgão”. De acordo com uma investigação da Organização Mundial para a Investigação da Perseguição ao Falun Gong, uma organização sem fins lucrativos com sede nos EUA, uma enfermeira da região de Guangxi disse aos investigadores que, apesar do medo de infecção em meio da pandemia, “eles farão a cirurgia quando houver”.

Browde disse que a campanha de perseguição do PCC contra a prática foi lançada devido aos temores de alguns líderes do partido sobre o fato de que havia mais praticantes do Falun Gong do que membros do partido. Em 1999, o ano em que a perseguição começou na China, havia 100 milhões de praticantes, 40 milhões a mais do que os membros do PCC naquela época, disse Browde.

“O que se desenrolou nas duas décadas seguintes foi basicamente uma perseguição sistemática caracterizada pela prisão generalizada, detenção, tortura e a morte de muitas pessoas”, disse ele. “Estimativas conservadoras dizem que … vários milhões de pessoas foram detidas durante esta campanha, deixando-as dentro de um campo de trabalho ou qualquer tipo de instalação semelhante”.

As notícias sobre a prática da extração forçada de órgãos na China não são amplamente conhecidas pelos cidadãos chineses, devido à eficácia da mídia estatal na China, disse Browde. O PCC também controla as informações que seus cidadãos podem acessar por meio de seu bloqueio de internet, conhecido como Grande Firewall.

Epoch Times

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *