Carioca é a favor do impeachment de Wilson Witzel, revela pesquisa

Uma pesquisa revelou que 79,1% dos habitantes do município do Rio é a favor do afastamento definitivo do governador Wilson Witzel. O levantamento realizado pelo instituto Paraná Pesquisas foi divulgado na última sexta-feira (5).

A pesquisa foi realizada dias depois que o Superior Tribunal de Justiça confirmou a liminar que afastou Witzel de suas funções e o proibiu de ter contato com outros investigados em função de suspeitas de irregularidades com o dinheiro público destinado ao combate à Covid19 no estado.

O futuro de Witzel agora depende de uma outra liminar “salvadora” vinda do Supremo Tribunal Federal, algo que analistas classificam como improvável de acontecer. O pedido está nas mãos do ministro Dias Toffoli.

Metodologia

O universo da pesquisa abrange os habitantes do município do Rio de Janeiro com 16 anos ou mais. Para a realização desta pesquisa foi utilizada uma amostra de 1226 habitantes, sendo esta estratificada segundo sexo, faixa etária, grau de escolaridade, nível econômico e posição geográfica.

O trabalho de levantamento dos dados foi feito através de entrevistas pessoais telefônicas entre os dias 01 a 03 de setembro de 2020, sendo
auditadas, no mínimo, 20,0% das entrevistas. A Paraná Pesquisas encontra-se registrada no Conselho Regionalde Estatística da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª Região sob o nº 3122/20.

Tal amostra representativa do município do Rio de Janeiro atinge um grau de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de aproximadamente 3,0% para os resultados gerais.

4 thoughts on “Carioca é a favor do impeachment de Wilson Witzel, revela pesquisa

  1. “79,1% dos habitantes do município do Rio é a favor”. É? Que é isso, cara? Não estudou a concordância, não?

  2. Concordo, o carioca é um exemplo para outros estados de como não se deve votar; uma coisa que o carioca não sabe fazer é isso, votar. Esse povo só vota em bandido, há anos todo governador que dirige esse estado sairdes lá bilionário e direto pra cadeia.

Comments are closed.