Vacina chinesa provocou efeitos colaterais em 2.650 voluntários na China

Foram divulgadas nesta quarta-feira (23) informações preliminares sobre a fase 3 dos testes da vacina chinesa contra o coronavírus, em desenvolvimento pela chinesa Sinovac.

Os dados apontaram que 2.650 voluntários apresentaram reações adversas na fase que testou a segurança do imunizante, o que representa 5,3% do total de 50.000 voluntários que participaram dos testes na China.

As informações foram adiantadas pela Folha e anunciadas pelo governador de São Paulo, João Dória, em entrevista coletiva.

Dória quer usar a Coronavac como trunfo político contra o presidente Jair Bolsonaro na disputa pela Presidência da República nas eleições de 2022. O governador declarou que “o negacionismo na Pandemia e no meio ambiente agrava as consequências, em referência ao discurso feito por Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da Onu nesta terça-feira (22).

Sem citar nome, Dória alfinetou Bolsonaro por críticas à vacina chinesa. “Aqui não discutimos a origem da vacina. Não estamos numa corrida pela vacina, e sim pela vida”. Logo depois, afirmou “todas as vacinas”.

A fala do governador deveria considerar os fatos, já que uma pesquisa revelou que 26,9% dos brasileiros vai avaliar sim o país de origem da vacina antes de decidir tomar ou não o imunizante, caso a vacinação não seja obrigatória.

Os resultados da pesquisa ainda não foram publicados em nenhuma revista científica, o que permite afirmar que não há comprovação científica, por hora, da segurança da vacina se seguido o mesmo critério cientificista adotado pela imprensa quando o assunto é covid19.

Em uma outra linha de pesquisa que busca desenvolver uma vacina contra o coronavírus, bastou 1 caso de possível reação adversa grave para que a farmacêutica Astra Zeneca e a Universidade de Oxford paralisassem temporariamente os testes, o que demonstrou preocupação com a vida dos voluntários. Os testes foram retomados logo após ser comprovado que o efeito adverso não tinha relação com a dose que o voluntário recebeu.

Com informações da Folha de S. Paulo.

Este conteúdo foi publicado em 23/09/2020 14:40

Ver comentários (15)

  • Não vou tomar, nem na marra, a vacina do país que mandou-nos o vírus chinês que causou tantas mortes e sofrimentos.
    Esse pais é uma ditadura comunista, não tem nenhuma transparência e só estão interessados na grana.
    Não dá para confiar.!!!

  • Esse Dória quando fala alguma coisa é só dória. Ele consegue irritar mais ainda o paulistano e todos os brasileiros. Ele subestima a inteligência das pessoas. Se ele gosta tanto da China e a vacina chinesa, que tome e cale a boca.
    Não acredito que alguém em seu juízo perfeito vai querer tomar vacina da China ou da Rússia . Acorda pateta ridículo.

  • A ciência existe independe do país de origem. O que existe em alguns países é a valorização do profissional como todo. Coisa que por aqui não se vê!

  • Até hoje, na história da Medicina, nenhuma vacina foi criada com menos de 4 anos de estudos e experimentações. Como confiar em uma, originária de país com tradição de desrespeito aos direitos humanos, que foi criada em menos de 1 ano?

    • A não ser que estejam fabricando e testando desde 2015, ano que iniciaram a pesquisa do Covid suína, que virou Covi-19

  • A solução para o problema é já que o doriano, vulgo tranca rua, gosta tanto da china que tome a vachina e vá para lá e esqueça do BRASIL 🇧🇷!
    A resposta do POVO PAULISTA vai vir nas urnas. Deixem em casa o covas!

Este site usa cookies para melhorar sua navegação.