Em flagrante desespero, extrema-imprensa ataca Bolsonaro novamente

Meme que circulou nas redes sociais: Bolsonaro caracterizado como Coringa destruindo com um sistema corrupto de imprensa representado pela IstoÉ.

A capa da revista IstoÉ publicada nesta sexta-feira (13) comprova que a extrema-imprensa brasileira não aprendeu nada com as eleições de 2018.

Movida pelo desespero, a revista estampou na capa uma montagem fotográfica que mostra o presidente Jair Bolsonaro caracterizado como o personagem Coringa, um famoso personagem dos quadrinhos e do cinema, acompanhada dos dizeres “Inconsequente, irresponsável e insano”.

Tal desespero só foi visto antes na campanha presidencial de 2018, quando um verdadeiro “consórcio” de grandes veículos de imprensa do país uniram forças para atacar e difamar o presidenciável Jair Bolsonaro.

Aderiram ao “ele não”, noticiaram com destaque a suástica falsamente tatuada na barriga de uma jovem por supostos apoiadores do presidente (que foi provado ser um caso de fake news), tentaram ligar Bolsonaro ao assassinato de Marielle Franco. E o resultado? Bolsonaro foi eleito com mais de 57 milhões de votos.

A cada ataque, a extrema-imprensa demonstra ao povo o sentimento de que Bolsonaro luta uma guerra desproporcional (assimétrica) com um inimigo poderoso. A questão é que ninguém, repito, ninguém gosta de ver uma pessoa sofrer tantos ataques sem se compadecer dele. É isso que os ataques despertam no brasileiro comum: solidariedade ao presidente e, consequentemente, repulsa pela grande mídia.

Se continuarem assim, Bolsonaro está reeleito em 2022.