Senador é suspeito de ter estuprado modelo de 22 anos

A Polícia Civil de São Paulo registrou nesta segunda-feira (23) um boletim de ocorrência por estupro contra o senador Irajá Silvestre Filho (PSD-TO). Segundo informações da CNN Brasil, o suposto crime teria sido cometido contra uma modelo de 22 anos.

A modelo relatou que teria sido dopada, acordando horas depois em um flat com o senador em cima dela fazendo sexo, segundo ela, sem preservativo. Após dizer que estava passando mal, a modelo foi ao banheiro, de onde pediu ajuda a amigos e familiares.

A Polícia chegou a ir até o local, mas não encontrou o senador. O quarto foi periciado em busca de evidências. Imagens de câmeras de segurança serão analisadas pelos investigadores.

Sobre a acusação, Irajá disse ter tomado conhecimento do episódio com “surpresa, decepção, tristeza e indignação”. O senador afirmou ser inocente e ressaltou que está à disposição das autoridades “para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários”.

Irajá é filho da também senadora Kátia Abreu (PP), ex-ministra da Agricultura no Governo Dilma.

Leia a nota completa do parlamentar:

Foi com surpresa, decepção, tristeza e indignação que tomei conhecimento do episódio infame, maldoso e traiçoeiro envolvendo a minha vida e minha dignidade.

Eu sempre pautei minha vida profissional, pública e pessoal pela ética, respeito e retidão, sendo inimaginável ser acusado de algo dessa natureza.

O fato é que, como principal interessado na revelação ampla e total de toda essa farsa, solicitei que meu advogado, Daniel Bialski, reforçasse às autoridades responsáveis pela investigação do caso que requisitassem a realização de exame de corpo delito na acusadora para comprovar a verdade.

Ressalto que compareci espontaneamente à delegacia responsável pela apuração dos fatos e pedi para ser submetido, voluntariamente, a exame de corpo de delito e toxicológico, tudo para desmistificar o quanto aleivosamente alegado.

As filmagens, demais provas e testemunhas hão de repor a verdade no seu devido lugar e vir a declarar minha total e plena inocência.

Confio na polícia e na Justiça e sei que ficará provado que jamais houve nada que possa tangenciar qualquer comportamento inapropriado de minha parte.

Lamento muito ter sido envolvido nesse enredo calunioso e difamatório que busca manchar o meu nome em função da visibilidade momentânea da função que ocupo.

Reitero que aguardarei a conclusão das investigações antes de fazer qualquer nova manifestação. Não pretendo ser atirado para essa arena sórdida. A verdade aparecerá e eu a aguardarei com serenidade.

Declaro e reitero que não cometi ilícito algum e estou à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários.

Senador Irajá